25
Qua., maio
0 New Articles

População reclama da subida geral de preços

Nacional
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

Moçambique começou 2022 com uma subida generalizada de preços de produtos básicos, aumento de imposto e uma polémica portagem. Economista alerta que o pior ainda está por vir com um provável aumento de crude
Num dos terminais mais movimentados de Maputo, a Praça dos Combatentes, vulgo Xiqueleni, encontramos Custódio Rafael à espera de transporte. Residente em Marracuene, a pouco mais de 30 km do centro da cidade, faz ligações e por

mês a conta chega ao equivalente a 90 euros.
"Por dia gasto quase 16 meticais. E fazendo as contas para todo o mês gasto seis mil meticais para uma pessoa, não está fácil", conta Rafael.
Para Maria Angela não é só o transporte que está a asfixiar os moçambicanos, "é energia, é água, tudo, não há nada que está melhor nos preços. Matrículas só foi antes de ontem que fui fazer" e termina dizendo que "uniformes ainda nem fui comprar".
Subida "não é comum"
A subida generalizada de preços, logo à entrada do ano 2022, não é comum no país diz a economista Estrela Charles do Centro de Integridade Pública (CIP), "tivemos a subida de preços de combustíveis, transportes públicos, produtos de primeira necessidade, os impostos, a energia".

"É um conjunto de bens que tem aumentado de preço e de forma rápida e de forma conjunta", afirma a economista.
A vendedeira Joana Faustino queixa-se da falta de ajuste proporcional do salário à subida dos preços, "o salário, nada compensa naquilo que é a subida dos preços e o custo de vida”.
O orçamento das famílias moçambicanas alterou e Zito Ramos, funcionário público, tem de fazer alguns cortes no seu orçamento, "vai ser difícil. De algumas coisas não devemos nos alimentar. Vou comprar um saquinho de arroz, óleo, adaptar-me ao caril e vai ser muito difícil".
Subida de combustíveis piora o difícil
A economista e professora universitária Estrela Charles adverte que a vida dos moçambicanos poderá piorar por causa do aumento do preço de combustível no mercado internacional.
"Provavelmente num período muito curto teremos um novo aumento do preço de combustível e automaticamente um aumento ainda maior em termos daquilo que são os bens e serviços de primeira necessidade", explica a economista.
Na opinião de Charles, este aumento de preços "vai agravar ainda mais o nível de vida das populações, principalmente as de renda muito baixa".

E recentemente o município de Maputo anunciou o agravamento do Imposto Pessoal Autárquico para o equivalente a pouco mais de sete euros. Joana Faustino preocupa-se, "o governo devia, pelo menos baixar os impostos se puder, porque o que a gente ganha não resolve nada, não chega".
Samuel Lichucha da Rede Nacional de Direitos Humanos diz que o aumento do imposto pessoal autárquico está descontextualizado "tendo em conta uma sequência de eventos indesejáveis de cujos impactos os cidadãos penosamente se ressentem".
E vem aí as portagens na circular de Maputo que vão custar o equivalente a 0,6 euros. Estrela Charles antevê um défice no orçamento familiar, "estamos a falar de dois mil meticais num orçamento de cada família. Será um custo muito elevado para o rendimento para o que as famílias já possuem".
E na cidade de Maputo, além do aumento do imposto autárquico para quem tem viatura vai pagar pelo estacionamento um valor de cerca de 1,3 euros mensal.

 

Fonte:da Redação e da dw
Reeditado para:Noticias do Stop 2022
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP/Estadão

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus
Stopmznews