CASA e UNITA querem associações pró-MPLA fora do OGE

Política
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Os partidos angolanos da oposição parlamentar pedem que o Governo retire do Orçamento Geral do Estado (OGE) as verbas destinadas às associações ligadas ao partido no poder. Para a CASA-CE, organizações como o Kabuskorp do Palanca (ligado ao general

Bento Kangamba), a Fundação José Eduardo dos Santos (FESA), o chamado Movimento Espontâneo, a Amangola, a Ajapraz e ainda o Fundo Lwini (criado pela ex-primeira Dama de Angola, Ana Paula dos Santos) não devem beneficiar dos fundos do Estado "pelo seu carácter vincadamente partidário".
A agremiação política sugere, contudo, a continuação das verbas de apoio à Taça Zé Dú, um campeonato de futebol de bairro dedicado ao aniversário do ex-Presidente da República, mas mudando o nome do evento.
Outra sugestão da oposição tem a ver com o fim do apoio financeiro à realização do campo Nacional de Férias dos Estudantes Universitários (CAMFEU), e derivar as verbas para o apoio ao Hospital Pediátrico de Luanda.
O economista Faustino Mumbika considera que as sugestões da oposição têm razão de ser com o argumento de que a actividade destas organizações está mais virada para a promoção de figuras do MPLA e os seus feitos não têm qualquer impacto na vida da maioria da população do país.
O porta-voz da UNITA, Alcides Sakala disse que estes assuntos foram amplamente discutidos durante os debates do OGE na especialidade, manifestando a esperança de que, desta vez, a voz da oposição se faça ouvir.

 

Fonte:da Redação e Por Angonoticias.com
Reditado para:Noticias do Stop 2018