09
Ter., Ago.
0 New Articles

AUSCULTAÇÃO SOBRE TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS HUMANOS EM MOÇAMBIQUE

Acolhemos com satisfação, achamos nós que teremos que triplicar esta informação aos demais, para que de facto saibam que fazer transplante

Zambézia
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

Cidadãos, em Quelimane, província de Zambézia, louvam a iniciativa do Ministério da Saúde, que pretende criar, no país, um instituto de transplante de órgãos e tecidos humanos.

 

Segundo sustentaram, a iniciativa poderá salvar vidas de muitas pessoas que necessitam de órgãos, como rins, por exemplo, para a sua sobrevivência.

Estas opiniões foram expressas à margem da auscultação pública, realizada, esta segunda-feira em Quelimane, pelo Ministério da Saúde, sobre a possibilidade de transplante de órgãos e tecidos humanos em Moçambique.

“Acolhemos com satisfação, achamos nós que teremos que triplicar esta informação aos demais, para que de facto saibam que fazer transplante é um processo muito pertinente; deve acontecer futuramente este transplante porque todas as coisas aconteciam fora do país e as pessoas, nós moçambicanos, morremos muito por doenças diversas que precisam de mudanças de órgãos”, afirmam alguns entrevistados.

O Ministério vai submeter ainda este ano uma proposta de projecto-lei de transplante de órgão e tecidos humanos à Assembleia da República para a sua apreciação.

O assessor do gabinete da Ministra da Saúde, explicou que para o sucesso da lei, decorre neste momento a auscultação pública no país para aferir a sensibilidade de vários segmentos da sociedade.

Américo Hassane disse que, caso a ideia seja concretizada, o país passará a realizar, pela primeira vez, serviços de transplante renal e de cegueira.

Hassane disse que o ideal é que os serviços de transplante de órgãos e tecidos humanos, sejam gratuitos e prestados por uma entidade pública, como forma de garantir também o acesso aos cidadão carenciados.

O Assessor do gabinete da Ministra da Saúde, disse, por outro lado, que o transplante poderá reforçar o serviço de hemodiálise, que é uma alternativa ao tratamento de rins, prestado até ao momento somente em Maputo.

 

 

 

 

 

Fonte:Rm.co.mz

Reditado por:Noticias Stop Nacional 2016

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus