13
Qui., Dez.
17 New Articles

Ícone argentino, alfajor ganha exposição em museu

País produz mais de um bilhão de unidades por ano da iguaria

América do Sul
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

O Museu da Cidade de Buenos Aires inaugurou uma mostra com um dos ícones da cultura gastronômica argentina: o alfajor. Com produção de mais de um bilhão de unidades do alimento por ano, através de mais de 100 marcas, a mostra relembra a história

do doce amado na Argentina e no mundo desde o século 19.
A palavra "alfajor" vem da palavra árabe "al hasú", que significa recheado e chegou ao território argentino através da imigração do sul da Espanha. Na indústria alimentícia, esse produto teve um peso importante, de constante renovação e crescimento através dos anos, enquanto o país tornou-se maior consumidor da comida no mundo.
O Museu da Cidade de Buenos Aires, inaugurou nas férias escolares a exposição "O alfajor, um ícone argentino". "Como parte de nossa cultura gastronômica, o alfajor é um dos alimentos que transmitem nossa identidade. Transcende com um êxito inigualável. Primeiro com a venda ambulante do século 19, passando para as lojas e continuado com as confeitarias e quiosques a partir de 1940 até a atualidade", informa a organização da exposição.
Na viagem pela história dessa guloseima, é lembrado que a Constituição Nacional foi escrita em uma fábrica de alfajores de Santa Fé, litoral do país, em 1853. A marca Merengo abriu suas portas em 1851, com seu manjar recheio de doce de leite, fechado com biscoito e molhado em um caldo de chocolate, e se vangloria de estar "andando junto com a história da Pátria".

Viagem pela história

A exibição é um passeio pelas publicidades gráficas e pela televisão através das décadas, assim como ver caixas e latas dos anos 1960 e 1970 e velhas etiquetas com alfajores de diversas regiões do país.
Grandes cartazes desenham as marcas e o ano de saída do mercado, além de mostrar as mais antigas, como a da província de Córdoba. "Chammas",de 1869, e "Emira de Castro", de 1900, chamam a atenção por seus recheios de frutas. Também relembram de Jorge Luis Borges, que criou o alfajor "El Aleph".
No entanto, o preferido por todo o território acabou sendo aquele com recheio de doce de leite e banhado por chocolate, nascido em 1947 na cidade turística de Mar del Plata como "Havanna" e replicado por inúmeras marcas.

Produção

Segundo dados da Associação de Distribuidores de Guloseimas e Afins são produzidos um bilhão de unidades por ano, cerca de 90 milhões por mês, em uma cifra que não inclui o mercado informal de produção. Assim como na Argentina, o Uruguai também tem esse "vício" e produz cerca de 10 milhões de unidades de alfajores por mês.
Incorporado à vida diária de crianças e adultos, a maior quanitdade de vendas são feitas em quiosques (65,5% segundo a consultoria CCR) e o resto é comercializado por supermercados.
Mais de 100 marcas competem por espaço no mercado argentino, das quais 75% são de empresas nacionais, e as demais de multinacionais.
Já a Argentina exporta seus alfajores para 30 nações do mundo, mas em um volume que equivale apenas entre 6% e 10% de sua produção. Também tornou-se um souvenir obrigatório para milhares de turistas estrangeiros.
A chanceler alemã, Angela Merkel, que visitou em junho passado a cidade de Buenos Aires, presenteou dias depois o papa Francisco com alfajores Cachafaz e doce de leite. "Você já os conhece", disse a Jorge Mario Bergoglio entre risadas.


Fonte:da Redação e Por Da Ansa
Reditado para:Noticias do Stop 2017
Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP