Governo propõe melhorar o nível de cobrança fiscal

O Ministro das Finanças, Olavo Correia, disse hoje que o Governo vai investir rapidamente na eficiência fiscal para que possa aumentar o nível de cobrança, mas num quadro de relacionamento diferente entre o fisco e o contribuinte.

Cabo Verde
Typography

O Ministro das Finanças, Olavo Correia, disse hoje que o Governo vai investir rapidamente na eficiência fiscal para que possa aumentar o nível de cobrança, mas num quadro de relacionamento diferente entre o fisco e o contribuinte.

O governante fez este anúncio depois de se inteirar do funcionamento das Repartições de Finanças em Santa Catarina, Tarrafal e Santa Cruz, onde, segundo disse, se deparou com um serviço motivado, com jovens qualificados e empenhados, mas com grande deficiência quer a nível da imagem da Repartição de Finanças, quer a nível de funcionamento dos meios logísticos, de mobilidade e sistema de informação.

Segundo o Ministro, o Governo vai investir rapidamente para que essas lacunas sejam equacionadas e possa haver uma administração fiscal nos municípios com um outro nível de desempenho.

“Precisamos de aumentar o nosso nível de cobrança, mas num quadro de relacionamento diferente entre o fisco e o contribuinte. Tem de ser um relacionamento com base na confiança, no engajamento e com base no comprometimento”, disse.

Para Olavo Correia, o pagamento dos impostos é uma obrigação de todos e se todos querem ter um sistema de ensino de qualidade e mais segurança têm de pagar os impostos, para que o Estado possa ter recursos financeiros para prestar esses serviços aos cidadãos.

Na sua opinião, cada cabo-verdiano deve ter em mente que pagar os impostos é um dever e que se não pagar os impostos, o Estado não poderá investir na educação, na saúde, nas infra-estruturas.

Por isso, pede que todos paguem os impostos e só assim estarão em condições de obrigar o Estado a fazer o melhor uso destes recursos.

Por outro lado, afirmou que é preciso ter uma autoridade tributária que seja eficiente, que tenha o universo dos contribuintes sempre em mente, que consiga fazer a fiscalização devida, obrigando que todos paguem os impostos.

“Nós iremos investir para criar todas essas condições a nível do sistema de informação, mobilidade, espaço, dos recursos humanos e da sua capacitação e motivação e penso que rapidamente teremos uma alteração profunda na administração fiscal”, enfatizou.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:noticiasdonorte

Reditado para:Noticias Stop 2016