07
Qui., Jul.
0 New Articles

Cinco funcionários públicos detidos por violação sexual

Inhambane
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

Cinco funcionários públicos, entre eles dois agentes do Serviço Nacional de Investigação Criminal estão detidos, em Inhambane, por violação sexual de uma jovem de 21 anos. O anúncio foi feito pelo comando provincial da polícia em Inhambane, Moçambique.

Entre os cinco detidos estão dois agentes do Serviço Nacional de Investigação Criminal, dois agentes do Serviço Nacional de Salvação Pública e um agente do Serviço de Migração. Todos acusados de violar sexualmente uma jovem de 21 anos, a 16 de Janeiro.

“Estes estando numa festa convidaram uma jovem de 21 anos de idade. Depois de ingerir bebidas alcoólicas violaram esta jovem na residência onde houve a festa”, confirma Juma Ali Dauto, chefe de relações públicas da polícia em Inhambane.

A violação sexual que terá causado sérios danos na jovem, foi confirmada por exame médico. A Associação da Rede dos Direitos Humanos, através do seu presidente Sérgio Matsinhe, exige a responsabilização dos autores: “Esperamos que num prazo de cinco dias o Ministério Público se pronuncie em torno deste processo”. Matsinhe acrescenta que se trata de “um crime público” cometido pela polícia de Moçambique.

O Provedor de Justiça, cuja denúncia do caso foi feita pela Associação Rede dos Direitos Humanos, garante dar seguimento ao crime.

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Fonte:da Redação e da rfi
Reeditado para:Noticias do Stop 2022
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus