19
Qua., Dez.
17 New Articles

Turquia prendeu 48.305 acusados de golpismo em 2017

Turquia prendeu 48.305 acusados de golpismo em 2017

Europe
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Istambul – A Justiça da Turquia enviou à prisão preventiva durante 2017 um total de 48.305 pessoas acusadas de vínculos com a confraria do pregador exilado Fethullah Gülen, que é considerado o instigador do fracassado golpe militar de 2016, afirmou nesta

sexta-feira o ministro do Interior, Süleyman Soylu.
Em entrevista coletiva em Esmirna, Soylu descreveu o dia 15 de julho de 2016, data do levante, como um “marco no qual a nação achatou a ameaça da FETÖ”, em alusão às siglas do que o governo turco descreve como Organização Terrorista Fethullah Gülen, em referência à confraria religiosa, informou a agência de notícias turca “Anadolu”.
“Apenas em 2017 foram enviadas à prisão preventiva 48.305 pessoas, no marco das operações dirigidas contra a organização terrorista FETÖ”, afirmou o titular de Interior, que afirmou que “entre elas há oficiais de segurança, juristas, juízes, promotores e trabalhadores das instituições estatais”, sem detalhar os números.
Entre o dia do golpe e o final de 2016, cerca de 32.000 pessoas passaram pela prisão preventiva pelo mesmo motivo.
As batidas contra possíveis simpatizantes da rede de Gülen continuam ininterruptamente e, durante os últimos meses, a cada semana era detida a uma média de 600 pessoas, segundo estatísticas do Ministério de Interior, embora não se especifique quantos deles passaram à prisão preventiva e quantos foram postos em liberdade dias mais tarde.
Soylu reafirmou na entrevista coletiva suas polêmicas declarações da quarta-feira, nas quais disse que “o dever da polícia é quebrar as pernas dos traficantes de droga que se encontram perto dos colégios”.
“Digam o que disserem, meus polícias entenderam o que eu queria dizer”, concluiu hoje.
O próprio primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, admitiu hoje em entrevista coletiva que as palavras de Soylu “poderiam ser mal interpretadas”, mas garantiu que queria expressar com elas a necessidade de firmeza na luta contra o tráfico de drogas.

 

 

 


Fonte:da Redação e Por EFE
Reditado para:Noticias do Stop 2018
Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP/Estadão