Papa diz que eliminar diferenças entre sexos "é um passo atrás"

Para "ultrapassar as dificuldades desta união", Francisco considerou ser necessário "fazer mais a favor da mulher" e "voltar a redescobrir a beleza do desenho criador de Deus".

Família
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

O Papa afirmou que a eliminação das diferenças entre sexos "é um passo atrás", durante a audiência geral na praça de São Pedro, esta quarta-feira.

 

Pergunto-me se a crise de confiança coletiva em Deus, que tão desmoralizados, incrédulos e cínicos nos deixa, não está também ligada à crise da aliança entre o homem e a mulher", observou o Papa argentino na audiência geral na praça de São Pedro, perante cerca de 30 mil fiéis de todo o mundo.

A alegada teoria do género" parece ser "a expressão de uma frustração e de uma resignação que visa apagar a diferença sexual por já não sabermos confrontá-la", acrescentou.

Para Francisco, este "é um passo atrás", já que "eliminar a diferença (de sexo) é o problema e não a solução".

O Papa defendeu que "a diferença entre os dois (homem e mulher) não é para competir ou dominar, mas para que se dê a reciprocidade necessária para a comunhão e para a procriação, à imagem e semelhança de Deus".

"A união matrimonial e familiar para toda a vida baseia-se nesta complementaridade (...)", disse Francisco, que se referiu também à crise do casamento e pediu aos casais "que falem mais, ouçam mais, se conheçam mais e se tratem com respeito e cooperem com amizade".

Para "ultrapassar as dificuldades desta união", Francisco considerou ser necessário "fazer mais a favor da mulher" e "voltar a redescobrir a beleza do desenho criador de Deus".