Europa está na mira de 173 terroristas do EI

Grupo está na lista da Interpol e, segundo os EUA, já teria sido treinado

Asia Ocidental
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Quase 200 terroristas do Estado Islâmico (EI) estariam prontos para cometer ataques na Europa, de acordo com dados recebidos pela Interpol e divulgados neste sábado pelo jornal britânico The Guardian.


Os dados pertencem a uma lista que a Interpol recebeu e na qual consta o nome de 173 militantes do Estado Islâmico que podem cometer atentados como forma de se vingarem das operações militares de países europeus no Oriente Médio.
De acordo com o The Guardian, a lista foi entregue à Interpol pelos serviços de inteligência dos Estados Unidos, com base em informações recolhidas na Síria e no Iraque.
No documento, os jihadistas são definidos como "indivíduos que podem ter sido adestrados para construir ou planejar explosivos para causar inúmeros mortos e feridos. Acredita-se que eles possam viajar internacionalmente para participar das atividades terroristas". Até o momento, porém, não há indícios de que esses 173 terroristas estejam já em território europeu.
A Interpol, por sua vez, pediu que os países da Europa colaborem com as investigações e forneçam dados sobre as pessoas citadas na lista, que contém a data de recrutamento pelo EI, fichas criminais, números de passaportes e perfis em redes sociais.
Perda de território
Nos últimos meses, o Estado Islâmico sofreu várias derrotas na Síria e no Iraque. A mais expressiva foi confirmada em 9 de julho, com a retomada de Mosul, capital do califado. Além disso, a Rússia divulgou que é provável que o líder do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, tenha morrido em um bombardeio.
Diante desse cenário, a Europa, um dos principais alvos de atentados terroristas do Estado Islâmico fora do Oriente Médio, teme que jihadistas viagem ao continente para se vingarem das derrotas. Isso porque, segundo as Nações Unidas, ao menos quatro mil cidadãos europeus teriam deixado seus países para lutarem ao lado do Estado Islâmico nos últimos cinco anos.

 

Fonte:da Redação e Por Da Ansa
Reditado para:Noticias do Stop 2017
Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP