26
Qui., maio
0 New Articles

ONU pede 4,4 mil milhões de euros para combater crise no Afeganistão

Asia Oriental
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

A organização das Nações Unidas está a pedir 4 mil e 400 milhões de euros para combater a crise humanitária que se vive atualmente no Afeganistão.

É o maior apelo de sempre feito pela ONU para ajudar um país que está perto do colapso.

Segundo dados das Nações Unidas, mais de 13 milhões de crianças precisam de comida, de casa e de cuidados médicos para sobreviver.


Fiona McSheehy, responsável pela "Save the Children" no Afeganistão, diz que tem piorado.

"Duas em cada três crianças precisam desesperadamente de ajuda humanitária, e isso representa um aumento de mais de um terço desde o início do ano passado", conta Fiona.

"Estamos a ver filas nas nossas clínicas móveis com cada vez mais pacientes que apresentam desnutrição e pneumonia e vemos adultos com desnutrição também.", conclui.

Desde que os talibãs tomaram posse, a economia entrou em turbulência. Vários países aplicaram sanções ao Afeganistão, principalmente os EUA, com o congelamento de ativos.


Sem dinheiro, tudo falha, incluindo o sistema de saude do país, que já não responde às necessidades.

Em pleno inverno, as plantações não existem e apoios do novo regime também não. A britânica "Save the Children" tem distribuído alimentos, roupas e cobertores. A ONU quer garantir que as ajudas chegam a quem precisa e não caiem nas mãos dos talibãs.

 

 

 


Fonte:da Redação e da euronews
Reeditado para:Noticias do Stop 2022
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP/Estadão

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus