Em 2 dias, Somália tem mais de 100 mortes por fome

Africa
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

O primeiro-ministro da Somália, Hassan Ali Khaire, denunciou neste sábado (4) que pelo menos 110 pessoas morreram de fome na região de Bay, no sul do país, desde a última quinta-feira .

É a primeira vez que o governo do país africano fornece um número de vítimas desde a terça-feira passada (28), quando decretou estado de calamidade nacional devido à crise humanitária. Nos últimos dias, milhares de pessoas se dirigiram à capital Mogadíscio em busca de comida.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), pelo menos 5 milhões de indivíduos precisam de ajuda alimentar no Chifre da África, onde fica a Somália, por conta da seca e da fome. Além disso, a ONU afirma que há 360 mil crianças desnutridas no país, sendo que 71 mil correm sério risco de morrer de fome.

Para piorar a situação, a constante falta de água potável aumenta as possibilidades de uma epidemia de cólera e outras doenças ligadas à ausência de saneamento básico.

Vulnerabilidade

A Somália é considerada um dos países mais frágeis e vulneráveis do mundo, não apenas por causa da pobreza disseminada em sua população, mas também pela atuação de grupos terroristas, como o Al Shabab, e pela instabilidade política. 

 

 

 

 

 

Fonte:Estadão Conteúdo

Reditado para:Noticias do Stop 2017

Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP