17
Seg., Jun.
0 New Articles

Profissionais de saúde reiteram greve de 25 dias

Saúde
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

Os profissionais de saúde em Moçambique, marcaram a partir do dia 1 de junho, uma greve para reivindicar a falta de materiais de trabalho nos hospitais, além de contestar a Tabela Salarial Única (TSU).

Em Moçambique começa esta quinta-feira (01.06), a greve de 25 dias no setor da saúde. Os profissionais pedem a melhoria das condições de trabalho e a devolução da dignidade aos pacientes.

A medida foi confirmada esta segunda-feira (29.05) na cidade da Beira pelo porta-voz da Associação dos Profissionais de Saúde de Moçambique (APSUSM), Josefino Alberto.


"A greve em causa, deve-se ao silêncio por parte do Governo, perante a carta reivindicativa submetida há quatro meses pela [Confederação Nacional dos Sindicatos Independentes e Livres de Moçambique] CONSILMO ao gabinete do Diretor Nacional de Saúde Pública e ao gabinete do excelentíssimo Ministro da Saúde, relatando a falta de grande parte dos medicamentos e artigos médicos nas unidades sanitárias e as injustiças salariais provocadas pela implementação da Tabela Salarial Única (TSU)”, explicou Alberto.

O porta-voz da associação dos Profissionais da Saúde avançou que a greve vai abranger todas unidades sanitárias moçambicanas, em várias áreas.

Caderno reivindicativo

A organização enviou cartas ao Ministério da Saúde para a discussão do caderno reivindicativo, mas o diálogo tem sido recusado sob o argumento de que a associação não é legalmente reconhecida por ainda não ter os seus estatutos publicados no Boletim da República.

"Ameaças e tentativas de coação ou de impedimento ao exercício de direito à greve. A substituição pelo ministério da Saúde dos agentes e profissionais por outros profissionais que a data da convocação desta greve não estavam afetos a estes locais de trabalho constitui uma violação do nº 8 do artigo 202 da Lei do Trabalho em vigor no país", avisa a Associação.

Mosambik Armindo Tiago, GesundheitsministerMosambik Armindo Tiago, Gesundheitsminister
Armindo Tiago, ministro da SaúdeFoto: DW/D. Anacleto
Em entrevista ao canal de televisão privado - STV, o ministro da Saúde, Armindo Tiago, apelou aos profissionais para não aderirem à greve convocada pela associação do setor, remetendo respostas às reivindicações para negociações em curso.

"São três aspetos que quero considerar. Primeiro, nenhuma greve resolve problemas”, advogou Tiago acrescentando que "apelamos a estes colegas que querem ir para greve a entenderem que não há greve que resolve problema”.

O dirigente garantiu ainda que "nós como Ministério da Saúde e como Governo já iniciamos o processo de conversa com os representantes desta associação”, concluiu.

A Associação queixa-se da situação que se vive nos hospitais, onde "os pacientes são obrigados a comprar soro" e os funcionários colocam a sua própria saúde em risco por falta de material apropriado.

 

 

Fonte:da Redação e da DW
Reeditado para:Noticias do Stop 2023
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus