26
Qui., maio
0 New Articles

EMINENTE PERDA DE ARROZ NO REGADIO DE CHÓKWE

A Ministra da Agricultura e Segurança Alimentar apelou aos produtores, gestores do regadio e da Bacia do Limpopo para encontrarem soluções rápidas para recuperar o arroz.

Nacional
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

Em Gaza, a bombagem de água da albufeira de Massingir, para o vale do Limpopo, é a solução alternativa do momento para salvar mais de dois mil e trezentos hectares de arroz, e não só, na eminência de serem perdidos no regadio de Chókwe.

 

Esta foi a explicação dada por Alberto Panguene, da Hidráulica de Chókwe,  à Vice-Ministra da Agricultura e Segurança Alimentar, Luisa Meque, que visitou esta quinta-feira os campos agrícolas com mais de duzentos e cinquenta hectares de arroz críticos, por falta de água, com maior probabilidade de serem perdidos.

A Ministra da Agricultura e Segurança Alimentar apelou aos produtores, gestores do regadio e da Bacia do Limpopo para encontrarem soluções rápidas para recuperar o arroz.

Por seu turno o Administrador distrital de Chókwe, Artur Macamo, olha para este problema com maior preocupação, porquanto a albufeira garante água para poucos dias, o que coloca em risco todas culturas naquele perímetro irrigado.

Na albufeira de Massingir existe cerca de cento e quinze metros cúbicos de água, uma quantidade que seria suficiente para a presente campanha agrária, no entanto a mesma só pode ser bombeada por descarregador de fundo, avariado há bastante tempo, e o caudal ao alcance do descarregador de superfície é de zero ponto quarenta e seis metro cúbicos e com dias contados para o fim. 

Num passado recente o PCA da Hidráulica de Chókwe, Soares Xerindza tranquilizou os produtores sob garantia da ARA-SUL, da disponibilidade de água suficiente para a presente campanha de arroz.

 

Fornecido por: Da RM.CO.MZ 2016 ( STOP)

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus
Stopmznews