25
Qua., maio
0 New Articles

Ivo São Vicente considera ilegal prisão do seu progenitor

Angola
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times
AplicLoja Windows 11 Pro

Detido há 14 meses em Luanda, o empresário começa a ser julgado na quarta-feira pelos crimes de peculato e branqueamento de capitais.

O filho, também envolvido no processo, insiste na ilegalidade da prisão. Está marcado para o dia 26 de janeiro, no Tribunal da Comarca de Luanda, o início do julgamento do empresário luso-angolano Carlos de São Vicente, detido em Angola há 14 meses, após ultrapassados todos os prazos legais para a sua prisão preventiva.

A família, bem como os advogados de defesa, insistem na ilegalidade da prisão. O filho, Ivo São Vicente, empresário também envolvido no processo, acaba de endereçar uma carta aos líderes dos partidos políticos portugueses candidatos a primeiro-ministro nas eleições do dia 30, a alertar para a situação "muito preocupante" do pai no estabelecimento prisional de Viana, em Luanda.

"Eu vejo as cartas que ele escreve. Ele preocupa-se muito com a deterioração [da saúde] mental dele próprio, porque naquela prisão não se consegue dormir. As condições não são boas. Sempre deu tudo pelo país e estar a ser tratado desta maneira é uma agonia", afirma Ivo São Vicente, em entrevista à DW.

Os advogados de Carlos São Vicente, preso desde setembro de 2020, já tinham apresentado um pedido de libertação e de habeas corpus, tendo acusado Angola de "total desrespeito" pela lei ao manter a sua prisão preventiva, mesmo depois de esgotados todos os prazos legais.

Carlos São Vicente é acusado dos crimes de peculato, participação económica, tráfico de influência e lavagem de capitais. De acordo com a justiça angolana, terá lesado a petrolífera estatal Sonangol em mais de 900 milhões de dólares.

Ivo São Vicente acolhe com alguma satisfação o início do julgamento do pai: "Pelo menos estamos contentes que a coisa há de avançar para algum lado. E estamos esperançosos que haja um processo justo e que se conclua o óbvio".

Já o jornalista e jurista angolano William Tonet diz que existem "muitas nuvens pretas neste processo", rodeado de "motivação política". "Não se pode prender um cidadão para se investigar. Depois, não se pode assentar a prisão de um cidadão restringindo-lhe a liberdade de movimento porque há uma motivação política que visa afetar seletivamente alguns cidadãos antes ligados e sempre ao sistema", sublinha.

Por outro lado, o diretor do jornal angolano "Folha 8" faz alusão ao valor de 900 milhões de dólares de São Vicente reclamados pelo Estado angolano, quando este tem sobeja prova de que pelo menos 800 milhões de dólares engajam as empresas seguradoras ligadas ao setor petrolífero. "Portanto, não é dele este montante", refere.

William Tonet considera que "este processo está mal conduzido" por afetar as liberdades e garantias dos cidadãos, ainda mais grave pelo estado de saúde de Carlos São Vicente, "mas a interferência excessiva do poder político na justiça faz com que ela cometa estas violações constantes à própria lei e à Constituição".

Para o analista Rui Verde, o julgamento de Carlos São Vicente tem particular interesse por ser "muito diferente" de todos os outros processos de corrupção em Angola. Na sua génese, afirma, há "uma espécie de estratégia política" envolvendo os associados ao antigo presidente José Eduardo dos Santos, que resolveram colocar o empresário luso-angolano "no meio do fogo".

"Há aqui um aspeto político muito interessante, que podemos chamar de luta entre fações do passado em Angola. E nessa medida parece conveniente que o sistema jurídico resolva este caso muito rapidamente", considera o analista. O processo, continua, "é importante para o próprio Carlos São Vicente. Como é evidente, não lhe interessa protelar o processo para continuar preso, como é importante para a Procuradoria-Geral da República [de Angola] apresentar um caso sólido e com provas para não parecer que andou a reboque".

Nesta medida, o professor de Direito e investigador na Universidade de Oxford não encontra "uma boa razão" para que o julgamento não comece no dia 26. "Ambas as partes têm interesse nisso", acredita, referindo ser também interessante a estratégia dos advogados de Carlos São Vicente que, entre outras iniciativas, tem combatido os tribunais de Angola e a opinião pública.

"De certa maneira, foi a opinião pública que levou ao processo contra Carlos São Vicente. Pensam que será a opinião pública que levará ao seu encerramento. Mas sobre isso já tenho algumas dúvidas. Creio que a partir do momento em que o processo entra em tribunal tem uma dinâmica própria que já não está ligada à opinião pública", afirma.

 

Fonte:da Redação e da angonoticias
Reeditado para:Noticias do Stop 2022
Outras fontes • AFP, AP, TASS, EBS
Material Informático - www.aplicloja.com
Receba diariamente no Grupo STOPMZNWS poderá ler QRCOD
Link do Grupo WhatsApp - https://chat.whatsapp.com/JUiYE4NxtOz6QUmPDBcBCF
Qual Duvida pode enviar +258 827606348 ou E-mail:Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Em criação o Aplicativo o APP que ira ver notícias diariamente em seu celular Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP/Estadão

AplicLoja Microsoft Office 2022 Pro Plus
Stopmznews