Banco de Fomento Angola liderou negociação na bolsa em 2019

Banco de Fomento Angola liderou negociação na bolsa em 2019

Angola
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

O Banco de Fomento Angola liderou as negociações ao nível dos mercados da Bolsa de Dívida e Valores de Angola (Bodiva), em 2019, com 282,9 mil milhões de kwanzas (513,4 milhões de euros) e quota de mercado de 32,27%.


Na segunda posição, entre os agentes de intermediação da bolsa de Angola, surge o Banco Angolano de Investimentos (BAI) que no período negociou 174,6 mil milhões de kwanzas (316,8 milhões de euros) cuja quota de mercado cifrou-se em 19,98%, seguido pelo Banco Millenium Atlântico (BMA), com um montante de 140 mil milhões de kwanzas (254 milhões de euros).
O Standard Bank Angola (SBA) e Banco Económico compõem o ‘top 05’ dos maiores agentes de intermediação da bolsa angolana, em 2019.
Segundo dados descritos no Relatório Anual dos Mercados Bodiva 2019, apresentado hoje, em Luanda, entre os 22 membros da Bolsa, apenas 17 contribuíram para o montante global negociado em 2019, 874 mil milhões de kwanzas (1,59 mil milhões de euros).
As transações efetuadas pelo Banco de Fomento Angola (BFA), BAI e BMA representam cerca de 68,38%.
Na análise de desempenho por membros, referente à posição vendedora, o estudo constata que o BFA mantém a tendência da liderança, com uma quota de mercado de 31,77, seguido do Millenium Atlântico com 17,84%, e do BAI com 14,81%.

O BFA lidera igualmente a posição compradora com uma quota de mercado de 32,96%, seguido pelo BAI e SBA com as quotas a cifrarem-se em 25,15 e 14,85%, respetivamente.

 


Fonte:da Redação e da angonoticias.com
Reeditado para:Noticias do Stop 2020
Receba diariamente o STOP em seu WhatsApp
Envie um WhatsApp para +258 827606348 para receber notícias diariamente em seu celular
Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP/Estadão

Stopmznews