20
Dom., Out.
0 New Articles

PGR já recebeu processo físico de Manuel Vicente

PGR já recebeu processo físico de Manuel Vicente

Angola
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

A transferência para Luanda do processo instaurado pela justiça portuguesa contra o ex-vice-Presidente de Angola, Manuel Vicente, está concluída, confirmou hoje,12, fonte oficial da Procuradoria-Geral da República (PGR), explicando que a instituição já tem

em mãos o caso em papel.
"O processo está a ser analisado para se ver o estado em que se encontra e, posteriormente, decidir-se que passos deverão ser dados. O processo é complexo, volumoso, levará algum tempo", avançou à agência Lusa fonte oficial da PGR.
Com a chegada do processo físico a Luanda, a PGR pode agora avançar com a sua tramitação, algo que era impossível apenas com a certidão digital, que já estava na sua posse.
Isso mesmo tinha sido avançado pela instituição, num comunicado divulgado no útlimo mês.
"Não existindo no ordenamento jurídico angolano regras processuais que admitam processos em formato digital, a PGR de Angola aguarda que lhe seja remetida pela sua congénere o processo em formato de papel, para ulteriores trâmites", esclarecia a nota.
Já sem o "enguiço" digital no caminho, a PGR pode agora encetar as diligências necessárias para dar continuidade ao processo.
O caso, denominado Fizz, envolve diversas personalidades portuguesas e angolanas a contas com acusações de diversas ilegalidades, desde corrupção a falsificação de documentos e branqueamento de capitais, crimes igualmente imputados pelo Ministério Público luso ao ex-vice-Presidente angolano.
Recorde-se que as relações entre Lisboa e Luanda, apesar de não terem sido nem interrompidas nem postas em causa, sofreram um abalo violento quando, ainda antes da eleição de João Lourenço, foi conhecido, através da imprensa portuguesa, que Manuel Vicente, estava a ser investigado por alegados crimes de corrupção e branqueamento de capitais pela justiça portuguesa
A tensão bilateral foi entretanto desanuviada, com a decisão do Tribunal da Relação de Lisboa, de transferir para Luanda o julgamento do antigo número dois do Estado angolano.


Fonte:da Redação e Por angonoticias
Reditado para:Noticias do Stop 2018
Fotografias:Getty Images/Reuters/EFE/AFP/Estadão

Stopmznews