Por que 7 mil corpos podem estar enterrados em campus universitário nos EUA

Ciencia e Saude
Typography
  • TPL_TYPO_TOOL_SMALLER TPL_TYPO_TOOL_SMALL TPL_TYPO_TOOL_MEDIUM TPL_TYPO_TOOL_BIG TPL_TYPO_TOOL_BIGGER
  • TPL_TYPO_TOOL_DEFAULT TPL_TYPO_TOOL_HELVERICA TPL_TYPO_TOOL_SEGOE TPL_TYPO_TOOL_GEORGIA TPL_TYPO_TOOL_TIMES

Local foi construído em terreno que pertenceu a sanatório para doentes mentais que funcionou durante quase 80 anos; grupo de acadêmicos se organiza para estudar restos mortais de pacientes e construir memorial


s restos mortais de pelo menos 7 mil pessoas podem estar enterrados embaixo da Universidade do Mississippi, na cidade de Jackson, segundo autoridades americanas.
Corpos dos pacientes da primeira instituição de saúde mental do estado - chamado de "Asilo dos Insanos" - estão enterrados em uma área de 20 acres, na qual os administradores da universidade queriam construir instalações.
O custo da exumação de todos os corpos pode chegar a U$ 21 milhões (R$ 65 milhões de reais) - mais que U$ 3 mil (R$ 9 mil reais) cada. Por isso, o Centro de Medicina do campus, onde os corpos foram descobertos, está procurando por alternativas mais baratas.
A universidade espera diminuir os custos fazendo a exumação no próprio local, segundo o jornal local, The Clarion-Ledger. A previsão é que dessa forma o custo seja de U$ 400 mil (R$ 1,2 milhão) por ano durante os próximos oito anos.
Paralelamente, há um plano de criar um memorial e um laboratório onde os alunos possam estudar restos mortais, resquícios de roupas e de madeira encontrados no processo de exumação.
Acadêmicos da universidade formaram um grupo para estudar os restos. "Nós herdamos esses pacientes", afirma Ralph Didlake, chefe do Centro de Bioética e Humanidades Médicas. "Queremos demonstrar consideração e administração respeitosa", disse ele ao jornal Clarion-Ledger.
"Seria um recurso único para o Mississippi", disse ao jornal Molly Zuckerman, uma professora de antropologia. "Faria da universidade um centro de dados históricos relacionados a saúde no período pré-moderno, especialmente a dos internados".
As obras para construção do Asilo dos Insanos terminaram em 1855 e o local permaneceu em operação até 1935.
Antes disso, os pacientes com doenças mentais frequentemente eram amarrados em correntes no porão das casas ou em cadeias.
De acordo com os registros, entre os 1.376 pacientes que foram internados no local entre 1855 e 1877, mais de um em cada cinco morreram.
Após a Guerra Civil dos Estados Unidos, o sanatório expandiu suas operações consideravelmente, chegando a abrigar 6 mil pacientes em seu maior pico.
Os primeiros caixões foram descobertos pela universidade em 2013 durante obras para a construção de uma estrada estava sendo construída perto do campus. Em 2014, as autoridades encontraram mais de mil ataúdes durante a construção de um estacionamento.

 

G1-Mundo
Reeditado:Celeste